Visitantes

domingo, agosto 17, 2008

O Astronauta


(escrita inside/outside)
,.

O mal do mundo
– 0 ast – são dois:
a malandragem e a dissimulação.
Os meninos aprendem a jogar bola
- uma casca dura e mole
ia colada à pele do astr -
e cada drible
dado e recebido
é uma aula de malandragem.

Meninos crescem malandros
- abriu os olhos maldizendo o mundo, o astro -
e sem tempo de contemplação.

Este tempo é
– parecia febre, mas era admiração
o que sentia o astron -

dado às meninas desde que recebem a primeira boneca
e observam os meninos jogando bola agressivamente,
enquanto brincam mansamente de
boneca e casinha e fogão e roupinha e
–saí da nave ou entrei na nave?, disse o astrona -
tudo aquilo que tem silêncio o suficiente
para aprenderem a vida interna da enganação.

A malandragem é somente
– ele entende seus movimentos,
não suas palavras, o astronau -

a vida externa da enganação,
porém são as meninas que desenvolvem dissimulação
por meio de bonecas e olhos de silêncio.

- ele vem do céu para nos redimir,
o astronaut –


Contudo, até uma mesma etapa da
existência, meninos e meninas têm
os olhos sequëstrados pelo mesmo casulo:
- O astronauta!
(Este ser que vive anos-luz
distante dos jogos e dos bonecos
em sua longevidade sem sexo)


(texto e desenho: Chuí)

10 comentários:

Rafaela Figueiredo disse...

Que escrito evoluído, Fer! Até me enrolei para ler.
E fez-me lembrar o trecho da canção d'O Pensador, Gabriel:

"...Aqui no mundo, o negócio tá feio/ Tá todo mundo feito cego em tiroteio/ Olhando pro alto, procurando a salvação/ Ou, pelo menos, uma orientação/ E você já está perto de Deus, Astronauta/ Então me promete/ Que pergunta pra Ele as respostas/ De todas as perguntas/ E me manda pela internet..."

Acho q intertextualiza bem com essa nossa irreal realidade ou real irrealidade: tudo difícil demais pra eu explicar...

Beijos!
Parabéns sempre.

Marta disse...

eu adoro astronautas!
parabéns pelo blog!

Anônimo disse...

Anjo caído? (risos!) Talvez...
Giuls

Yone disse...

Sempre uma bela reflexão. É muito bom ler seus textos. Beijo


Yone

Anônimo disse...

Acho q não entendi mas gostei!
Abraçps,
Jo

Tatiana Ribeiro disse...

Confesso que estou admirada com sua técnica neste desenho. Adorei.
Achei alguns objetos no 'casulo'.
E o texto como sempre, gosto de refletir por uns dias.
Grande abraço e que bom que voltou a escrever e desenhar.

Flávia disse...

Fernando,

Adorei o poema! Muito bom mesmo!
Bjs,
Flávia

Luiza disse...

Fernando, adorei o desenho: demais!
Eu me senti até apertada dentro do meu casulo...a imagem é muito forte e contaminadora. Contaminar é mais corporal do que contagiar.
Agora, sobre as palavras, acho que existem muitas coisas sugeridas que dariam horas de conversa sobre as diversas possibilidades destapadas pela imagem...
gracias

Luiza disse...

Fernando, adorei o desenho: demais!
Eu me senti até apertada dentro do meu casulo...a imagem é muito forte e contaminadora. Contaminar é mais corporal do que contagiar.
Agora, sobre as palavras, acho que existem muitas coisas sugeridas que dariam horas de conversa sobre as diversas possibilidades destapadas pela imagem...
gracias

Fernando Chuí disse...

Acho que pensei em um anti-anjo caído, Giuls. Algo flutuante...
E Marta, deixe e-mail para retorno, tá?
Beijo,
Chuí