Visitantes

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Fauna V


Não há bons aparelhos para distinguir
a máquina que age
da máquina que sente
HiperespaçoImatériaPusSaliva
BactériaTelaDiscoLinguaDente
...
Que peça de ilusão é um robô?
...
RenovaçãoProgramadaMatemática
EmoçãoFervilhaQualMecatrônica
CabeçaTroncoMembranaCoração
WinchesterPóDisfunçãoBiônica
...
Que peça de ilusão é um robô?
...
OPassadoÉUmaMiragem
FreqüênciaRuídoSinfonia
EternoSomInconstante
Arma de fogoPalavra d'água
PulsãoDe1SóInstante
...
Que peça de ilusão é um robô?
...
ProgramaDesenhoPlanoDelírioLuz
PigmentoMetálicoCor da pele
Interface do InvisívelFoco
Lente de aumentoHTML
...
Que peça de ilusão é um robô?
....
CybermulticelularSangueOsso
GeometriaVeiaArtériaImãMola
Não há bons aparelhos para distinguir
a máquina que corta
da máquina que cola
...
Que peça de ilusão é um robô?
...
...
(ilustração de Fernando Chuí & Marcia Tiburi)

7 comentários:

Lara disse...

"Não há bons aparelhos para distinguir
a máquina que age
da máquina que sente..."
E quem nunca se sentiu meio-máquina, meio-humano?
Amei o desenho!
Beijos,
Lara

Hamer disse...

Chui, troca o teclado do seu computador que a "space" num tá funcionando!
Dica: a máquina que corta é "Ctrl + X" e a máquina que cola é "Ctrl + V".
Também tô por aqui com esta nossa incapacidade de ver tudo ao mesmo tempo agora, e lidar com a limitação do conhecimento: em que máquina de ilusões nos transformamos?
Valeu brou, muito bom!!!

Anônimo disse...

Todo mundo tem uma parte máquina mesmo.
Haja visto aqueles atendentes da telefônica...

Fernando Chuí disse...

Obrigado, Lara!
Valeu a visita, Hamertz.
E muito boa lembrança, anônimo...

Juliana disse...

Oi Fernando,

Muito legal teu texto. O que consola é que para cada lente de aumento HTML há um par de olhos humanos a refletir sobre os scripts que se apresentam diante deles!

PS. Fico impressionada com suas ilustrações: expressivas como elas só! Parabéns à Márcia Também!

Abração,

Juliana Hatoum

Yone disse...

Parabéns amigo por ver-nos ´tão bem. Beijo

André disse...

lembrou-me as máquinas desejantes da esquizoanálise da dupla Deleuze-Guattari.
Abraço!