Visitantes

domingo, outubro 14, 2007

Ciência e Poesia - Último Refúgio

( Para meu pai Menezes, poeta e físico,
que me ensina a desvendar poesias e declamar teorias)


O que a ciência propõe demonstrar
a poesia dá à luz.

Se Einstein tivesse sido poeta,
subiria sobre a mesa do bar
para declamar em voz alta:

Deus não joga dados!

(E mostraria-nos a sua língua,
pois que pra isso é que serve a língua de um poeta)

Freud faria quiçá um recital, declamaria
junto a um coro de mulheres histéricas:

Nenhum ser humano é capaz
de esconder um segredo.
Se a boca se cala, falam
as pontas dos dedos.

Marx gravaria um folk-rock,
acompanhado de guitarra e gaita de boca.
Nas rádios, ouviríamos o refrão:

A estrada do inferno/ é pavimentada/ com boas intenções!
A estrada do inferno/ é pavimentada/ com boas intenções!


Descartes publicaria em seu blog um haikai:

Penso, logo existo.
Viver sem pensar é viver sem existir -
Ter os olhos fechados
sem nunca os haver tentado abrir.

Leríamos Pitágoras,
volumes infinitos de equações líricas:

O universo é uma harmonia de contrários.
O homem é mortal por seus temores
e imortal por seus desejos.


Ora, se Sócrates fosse poeta,
sua obra resumiria a história da filosofia
a um único verso concreto:
.
S e i

Q u e N a d a

S e i
.
Que a ciência nos resgate a poesia.
E vice-versa.
Pois a poesia está no cume da ciência.
Ela é seu último refúgio.
E não se pode ver onde é início
e onde é desfecho nesta montanha.
É tudo parte da vida que existe,
sem pensar.

Se Deus existir, decerto que é um poeta.
.
.
(texto e ilustração de Chuí)

11 comentários:

Luiza disse...

Deus é poeta e um cientista destes que ousam inventar modas e modos pra surpreender a si mesmo.É um cara destemido e sádico.

gostei muito da poesia, Fernando!

Luiza disse...

e eu posso ver vc recitar esse poema,chuí!!

a-m-e-i!!

bjoooos
Luiza

Menezes disse...

Se Deus fosse poesia
só seria
se Deus fosse ciência
duvidaria
mas acho que Deus está
onde se cria

(A dúvida que fica é sobre "cria", presente de criar ou passado de crer...}

Rafaela disse...

Tão bom ter essa poesia q chega até nós, Fer... e há certos momentos da vida em q isso é realmente necessário: quando não se sabe, ao menos, onde está, o q fazer, o q falar ou calar... não há, sequer, o saber do q procurar. Que conforto ser encontrada por essa sua. Minha alma anda precisando muito desse tipo de refúgio.
A vida nem é tão bela...

beijos

Danilo M. disse...

A hiena-macaco, sentada no alto monte ao meu lado, tentando me seduzir, me fala um pouco dos fatos de uma vida: - Meu riso é mímese, encarniçamento, puro encanto. Não preciso da narcose de um pensamento. Nem tu, pois não és uma hiena-filósofo. E se fosses, o que farias com tuas quimeras? O conforto (labuta, desfrute, labuta) não me deixa dúvidas, que, se de algum modo ocorressem, todavia nem artes nem deuses poderiam responder.

lara disse...

Chuííí!!
Arrasou!!
Bjoooo,
Lara

Aurora disse...

Querido Fernando,
Desejo que seja um dia bacana cabendo tudo o que a gente deseja no aniversário, principalmente, beijos, abraços, bolo e ...presentes.
E ainda nos oferece este belo poema com passado e modernidade intrincadas.
Beijos
Au

Yone disse...

Chuí, que coisa mais linda. Amei. Parabéns. Beijo

William disse...

Olá Fernando
Muito bons os seus textos, e as ilustrações também. Postura de observador com capacidade de distanciamento crítico.
Meu projeto de mestrado para a FEUSP é sobre a questão da ciência e seu discurso racionalista.
Tenho quase pronto um livro de poesias e pretendo publicá-lo até o fim do ano, de forma independente. Ele transita
por algumas escolas, como a do concretismo, do haicai e a poesia visual.

William

Maisa disse...

Fer querido, amei Ciência e poesia. eu, como pesquisadora, acabo me metendo a escrever poesias e divagações tentando mesclar meus conhecimentos biológicos com minha necessidade irresistível de expressar sentimentos e/ou posturas da nossa sociedade, comunidade, individualidade. sendo assim, estou enviando abaixo o link relacionado com meus últimos textos publicados na Revista da ECA/USP. espero que goste....

www.eca.usp.br/nucleos/njr/espiral/tecno32c.htm
Revista Espiral, ícone Tecnotopias (ciência literária)

Anônimo disse...

Parabéns atrasado, Fê!!!!
Lili